A dialética é a base da vida humana.


E AQUELES QUE FORAM VISTOS DANÇANDO, FORAM JULGADOS INSANOS POR AQUELES QUE NÃO PODIAM OUVIR A MÚSICA
VIDA SEM MÚSICA É UM EQUÍVOCO
Nietzsche
__________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Para Nietzsche e em nome de Nietzsche


PARA NIETZSCHE E EM NOME DE NIETZSCHE


AI MEU DEUS, DEUS ESTÁ MORTO
SIM, E SOMOS NÓS OS ASSASSINOS
QUE HORROR !
O QUE SERÁ DE NÓS ?
E AGORA ?
E DEPOIS QUANDO A MORTE VIER
(“E NOS PEGAR SORRINDO, QUERENDO FICAR”)
QUEM ZELARÁ POR NÓS ?

DEUS ESTÁ MORTO
NÓS O CRIAMOS
NÓS O MATAMOS
POR HORA, NOS RESTA CRIAR OUTRO MITO
OUTRA ESTÓRIA, OUTRA CRIAÇÃO
OUTRA EXPLICAÇÃO PARA A ORIGEM
NOSSA ORIGEM
A ORIGEM DE TUDO
ALGO PARA PREENCHER O VAZIO DE NOSSA EXISTÊNCIA

DEUS ESTÁ MORTO
SURGIU DO NADA, DO ALÉM
DO NADA QUE SOMOS
DA IGNORÂNCIA DOS HOMENS
PRECISÁVAMOS PREENCHER O VAZIO
E PARA O VAZIO DO ALÉM O ENVIAMOS
PARA ONDE RETORNAREMOS EM BUSCA DE OUTRO

DEUS ESTÁ MORTO
ESTAMOS SEM JUIZ
PARA JULGAR OS VIVOS E OS MORTOS
PARA SENTENCIAR, COM SUA IRA, OS MAUS
COM SUA BENEVOLÊNCIA, OS BONS
PARA REDIMIR OS PECADOS
E PRESENTEAR COM A VIDA ETERNA

DEUS ESTÁ MORTO
SIM, POIS O HOMEM VIVE
SAIU DA CAVERNA DE PLATÃO
OLHOU P’RÁ TRÁS...
ANIMAL COMUM QUE FORA
ADQUIRIU INTELIGÊNCIA
E CRIOU DEUS
ATÉ QUE, COM A RACIONALIDADE
DECRETOU SUA MORTE

DEUS ESTÁ MORTO
POIS PARA QUE SERVE O CRIADOR
SE A CRIATURA
QUE É PARTE DA CRIAÇÃO
JÁ TEM AUTONOMIA
QUE PRINCIPIOU COM PODER DE CONQUISTADOR
E ATINGIU A GRANDEZA DO PRÓPRIO CRIADOR ?
Eis a diferença entre um cientista e um pseudo cientista: o objetivo. O primeiro busca, através da razão, compreender os mistérios da Natureza com intuito de facilitar os caminhos da humanidade. Enquanto que o segundo, busca meios nestes mesmos mistérios para justificar sua fé.