A dialética é a base da vida humana.


E AQUELES QUE FORAM VISTOS DANÇANDO, FORAM JULGADOS INSANOS POR AQUELES QUE NÃO PODIAM OUVIR A MÚSICA
VIDA SEM MÚSICA É UM EQUÍVOCO
Nietzsche
__________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

terça-feira, 11 de maio de 2010

ÔNIBUS ATEU

Ônibus londrino
"Provavelmente, Deus não existe. Agora pare de se preocupar e aproveite sua vida."


No início do ano 2009 foi lançada uma campanha publicitária sem precedentes na história do Reino Unido: uma campanha sobre ateísmo. Foi um marco relacionado a esse tema na história desse país, e de diversos outros, pois a "Campanha dos Ônibus", como ficou conhecida, se espalhou rapidamente pelo mundo. O objetivo da campanha é garantir o reconhecimento dos direitos dos ateus, bem como a manutenção do Estado laico.
A ATEA (Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos) informou que está levantando fundos para lançar a campanha aqui no Brasil, colocando slogans em alguns ônibus da cidade de São Paulo.
Espero que a campanha em Londres não tenha passado despercebida. As últimas notícias que se tem são de julho de 2009 quando os austríacos também lançaram a campanha.
A campanha foi proibida na Austrália e na Itália, mas vingou, além de em Londres e Áustria, em Barcelona e Washington.
Para a campanha aqui no brasil, a ATEA selecionou estes slogans, dentre outros, que serão estampados nos ônibus de São Paulo:

"Sou feliz sem crer em nenhum deus."

"Você precisa de um deus pra ser feliz? Nós não."

"A fé não dá respostas. Ela só impede as perguntas."

"Sorria! O inferno não existe."

"Você é quase tão ateu quanto nós. Quando você entender porque não acredita em todos os outros deuses, saberá porque não acreditamos no seu."





segunda-feira, 10 de maio de 2010

Regurgitação




Vivemos um fracasso filosófico
Que se dá pela não aceitação do vazio
O vazio de ser, o vazio que somos
Nosso nível intelectual ficou estagnado
Passamos a viver em busca de algo no além
Na tentativa de aliviar nossa impotência, nosso medo
Há muito não ocorre progresso
Ainda aceitamos qualquer argumento que nos alivie
Que nos livre do buraco escuro em que vivemos
Portanto elegemos a ilusão
Delegamos à ela a suposta responsabilidade por nós
Vivemos no falso consolo de um deus ilusório...

A humanidade é um enfermo em estado terminal
Vagamos num túnel de limbo intelectual
Que transpassa uma paisagem amorfa e incolor
Temos uma cultura de massa que nos corrói
Ela é uma árvore trangênica alimentada por fertilizantes
Criados por abutres da alma
Estes, são arauto de um deus louco
Que vaga pela terra sugando as entranhas dos tolos
Seu delírio é a alienação de que padecemos
Tudo é o reflexo de nossa prostração cultural
Da impossibilidade de elevação da racionalidade...

QUESTÕES


Não é muito difícil observar que, para a maior parte da humanidade, ainda há uma grande demanda por um deus. Ora, se a humanidade precisa de uma ilusão para justificar os mistérios que não consegue compreender, não seria um absurdo pronunciar que ainda está sob o jugo de uma cultura decadente. Este talvez seja o sinal de que não evoluímos... o vazio que havia há milênios, continua a atormentar. O “mal estar na civilização” permanece vivo, apesar da evolução do pensamento e da ciência.
Podemos citar algumas centenas de pensadores e cientistas que apresentaram questões muito pertinentes. Porém são apenas questões, e atingem apenas uma mínima parte da humanidade. Já se tentou de todas as formas de religiões, de deuses para aliviar essa angústia inerente ao homem, mas ela permanece viva, e não se vê no horizonte uma onda de racionalidade em massa para que, ao menos, se possa tentar algo diferente.
Creio que permaneceremos nesta estagnação intelectual... Parecia que, nos séculos xviii e xix iria eclodir uma reviravolta racional, mas a humanidade deixou que estes momentos passassem; redefinindo a impressão de que não é só o vazio que lhe é inerente, mas, também, a tolice.
É pertinente dizer que, por ainda precisarmos da ilusão (na proporção a qual se encontra a humanidade), a evolução do conhecimento do homem é ínfima sim... este é o quadro que faz com que os céticos reafirmem suas convicções. Que vivam os céticos com a quimera de um “admirável mundo novo”.


sexta-feira, 7 de maio de 2010

Para Nietzsche e em nome de Nietzsche


PARA NIETZSCHE E EM NOME DE NIETZSCHE


AI MEU DEUS, DEUS ESTÁ MORTO
SIM, E SOMOS NÓS OS ASSASSINOS
QUE HORROR !
O QUE SERÁ DE NÓS ?
E AGORA ?
E DEPOIS QUANDO A MORTE VIER
(“E NOS PEGAR SORRINDO, QUERENDO FICAR”)
QUEM ZELARÁ POR NÓS ?

DEUS ESTÁ MORTO
NÓS O CRIAMOS
NÓS O MATAMOS
POR HORA, NOS RESTA CRIAR OUTRO MITO
OUTRA ESTÓRIA, OUTRA CRIAÇÃO
OUTRA EXPLICAÇÃO PARA A ORIGEM
NOSSA ORIGEM
A ORIGEM DE TUDO
ALGO PARA PREENCHER O VAZIO DE NOSSA EXISTÊNCIA

DEUS ESTÁ MORTO
SURGIU DO NADA, DO ALÉM
DO NADA QUE SOMOS
DA IGNORÂNCIA DOS HOMENS
PRECISÁVAMOS PREENCHER O VAZIO
E PARA O VAZIO DO ALÉM O ENVIAMOS
PARA ONDE RETORNAREMOS EM BUSCA DE OUTRO

DEUS ESTÁ MORTO
ESTAMOS SEM JUIZ
PARA JULGAR OS VIVOS E OS MORTOS
PARA SENTENCIAR, COM SUA IRA, OS MAUS
COM SUA BENEVOLÊNCIA, OS BONS
PARA REDIMIR OS PECADOS
E PRESENTEAR COM A VIDA ETERNA

DEUS ESTÁ MORTO
SIM, POIS O HOMEM VIVE
SAIU DA CAVERNA DE PLATÃO
OLHOU P’RÁ TRÁS...
ANIMAL COMUM QUE FORA
ADQUIRIU INTELIGÊNCIA
E CRIOU DEUS
ATÉ QUE, COM A RACIONALIDADE
DECRETOU SUA MORTE

DEUS ESTÁ MORTO
POIS PARA QUE SERVE O CRIADOR
SE A CRIATURA
QUE É PARTE DA CRIAÇÃO
JÁ TEM AUTONOMIA
QUE PRINCIPIOU COM PODER DE CONQUISTADOR
E ATINGIU A GRANDEZA DO PRÓPRIO CRIADOR ?
Eis a diferença entre um cientista e um pseudo cientista: o objetivo. O primeiro busca, através da razão, compreender os mistérios da Natureza com intuito de facilitar os caminhos da humanidade. Enquanto que o segundo, busca meios nestes mesmos mistérios para justificar sua fé.